As vacinas contra Covid-19 são seguras, eficazes, aplicadas em duas doses e podem criar uma resposta no sistema de defesa do corpo.

Vacinas contra Covid-19 aprovadas no Brasil

Em parceria com o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ), a equipe da Pronep Life Care foi responsável pela aplicação das vacinas contra a Covid-19 nos médicos com mais de 60 anos, contemplados durante a 1ª fase de vacinação. Em três dias de ação, que aconteceu na sede do CREMERJ no fim de janeiro, mais de 3 mil doses foram aplicadas.

A vacinação contra a Covid-19 ainda está no início em todo o Brasil, mas os primeiros números apresentam esperança para toda a população. Até o último dia 18 de fevereiro, 4.576.411 pessoas haviam recebido, pelo menos, a 1ª dose.

No país, duas vacinas estão aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e tiveram o uso emergencial aprovado por unanimidade pelo órgão federal. Nesta primeira fase, profissionais da saúde, idosos que vivem em abrigos, indígenas e quilombolas têm prioridade.

As vacinas são seguras, eficazes, aplicadas em duas doses e podem criar uma resposta no sistema de defesa do corpo. Estão sujeitas a um rígido processo de aprovação regulatória. Por isso, na maioria dos casos, os governos não oferecem a escolha de qual vacina receber.

Todas devem ser distribuídas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A vacinação é fundamental para o combate à pandemia e o início do retorno a uma vida normal. No entanto, elas têm suas diferenças, além dos laboratórios que as desenvolveram.

CorononaVac

Produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, que a fabrica no Brasil, é feita a partir de um vírus inativado e enfraquecido, que não tem poder de nos infectar.

Em laboratório, o vírus é exposto a calor e produtos químicos que o impedem de se reproduzir. A ideia é que o corpo aprenda a se defender de uma possível infecção e de outros sintomas do Coronavírus.

O intervalo entre as doses é de 14 a 28 dias. A eficácia da CoronaVac é de 50,38%, apontam testes clínicos feitos no Brasil, com 13 mil voluntários da área da saúde.

Sobre efeitos colaterais, nenhuma vacina apresentou adversidades graves. Os sintomas foram leves, como dor no local da aplicação, dor de cabeça e febre, de intensidade leve ou moderada.

Vacina de Oxford

Desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica britânica AstraZeneca, teve a tecnologia adquirida pelo Ministério da Saúde, em junho/2020, para produção na Fundação Oswaldo Cruz  (Fiocruz).

Também é totalmente segura e tem forte poder imunizante, principalmente nos idosos. Tem eficácia média comprovada de 70,40%, mostram dados publicados na revista científica sobre medicina “The Lancet”, em dezembro/2020.

A vacina de Oxford utiliza um vírus modificado para introduzir parte do material genético do Covid-19 no organismo e estimular a proteção do organismo com os anticorpos.

É produzida a partir de um adenovírus (que causam doenças respiratórias) que se manifesta em chimpanzés, mas não causam reação nos humanos.

Importância da vacinação

A Pronep Life Care, uma marca do grupo Sodexo, apoia o uso das vacinas e está seguindo as orientações sobre vacinação dos órgãos de saúde governamentais e autoridades de saúde, locais e internacionais. Todos precisam tomar suas decisões sobre tomar a vacina, levando em consideração as orientações das autoridades de saúde e o conselho de seu médico /profissional de saúde.

Os dados disponíveis até agora indicam que as vacinas são eficazes contra todas as variantes do SARS-COV-2 (das quais existem mais de 50 até o momento).

Não sabemos ainda que efeito as vacinas têm na transmissão do SARS-COV-2. Por isso, o uso de máscaras, a lavagem regular das mãos e o distanciamento físico devem ser mantidos para que a população mundial possa seguir em frente.

Efeitos Adversos

Neste processo de imunização, a atenção e os cuidados imediatos com os Eventos Adversos Pós-Vacinação (EAPV) são fundamentais. Em caso de eventos locais, como dor ou endurecimento, use compressas frias nas primeiras 24h/48h, de forma contínua, no local de aplicação, para alívio da dor e outros sinais, se ocorrerem.

Caso não tenha melhora, ou apareça outras manifestações no corpo, retorne à Unidade de Saúde para notificação e acompanhamento. Em caso de sintomas graves, procure a Unidade de Atendimento de Emergência para avaliação.

Além de possível dor no local da injeção, cansaço, fadiga e dor de cabeça, também pode ocorrer o endurecimento do local da aplicação, dor muscular, diarreia, tosse e coceiras na pele. Já outros sintomas menos comuns, como hematomas, vômito, febre, espirros, tontura, sonolência e dor abdominal também podem se manifestar.

Como será a vacinação dos pacientes em internação domiciliar?

Neste momento, a vacinação segue calendários específicos de cada cidade, que estão sendo divulgados e atualizados diariamente, e está sendo ministrada pelo Sistema Público de Saúde (SUS). As empresas de atenção domiciliar ainda não têm acesso às vacinas, nem autorização para aplicá-las. Os pacientes acamados ou com dificuldades de locomoção que sejam elegíveis à fase atual do Plano Nacional de Imunização devem agendar a vacinação de acordo com as diretrizes da Secretaria Municipal de Saúde da cidade onde está. 

Consulte e pesquise as informações divulgadas pelas Secretarias Municipais de Saúde do Rio de Janeiro, São Paulo, Ribeirão Preto e Vitória, cidades-sede da Pronep Life Care.

Posso tomar a primeira dose da Coronavac e a segunda da Oxford ou vice e versa?

Não, as vacinas possuem diferentes composições e formas de produção, é preciso tomar a mesma vacina na 1ª e 2ª aplicação para uma imunização eficiente.

As medicações têm eficácia comprovada no combate ao Coronavírus. Também por isso, não é possível escolher qual vacina tomar. A distribuição é feita pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Saiba mais sobre os diferentes testes de Covid-19

Alimentação nutritiva é a principal aliada na recuperação da Covid-19

O “Novo normal” e as consequências da pandemia,

Fontes

Ministério da Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

BBC News

Revista Época Negócios

Portal G1

UOL – Portal de Saúde Viva Bem.